5 dicas para perder medo dos testes de tradução

Há não muito tempo, no longínquo verão de 2011/2012 quando eu tentava desesperadamente começar a atuar como tradutora profissional, deparei-me com alguns testes de tradução. E eles me deixavam ansiosíssima.

  • “Não usei a tradução perfeita naquele termo.”
  • “Fui muito literal nessa.”
  • “Fugi demais do literal naquela.”

Hoje, quatro anos depois, tenho uma experiência considerável em justamente corrigir testes de tradução. O jogo virou, não é mesmo?

the-office-michael-scott-main

O que percebi corrigindo os testes foi que a tradução, propriamente dita, não conta tanto assim. Ou melhor, é claro que conta, mas pouca diferença faz você dar uma solução nota 7 ou nota 10 para um mesmo termo. Agora, se toda santa vez você deixar de colocar vírgula no vocativo, preocupe-se.

Apesar do objetivo final de cada serviço ser completamente diferente, um corretor de testes é, em essência, um revisor. E, como revisor, o corretor vai sempre ficar se perguntando se gostaria ou não de pegar a tradução do candidato para revisar.

Muito possivelmente, o revisor prefira dar uma ajeitadinha numa tradução de um termo aqui ou ali a ter que parar a cada três palavras para corrigir uma pontuação, uma caixa alta, hífen onde não precisa, falta de hífen onde precisa. Não são erros graves, não são erros que afetam a compreensão, necessariamente, mas são erros que cansam o revisor.

Como estamos na era BuzzFeed, confira cinco dicas para ter mais chances de ser aprovado no teste de tradução

  1. Passe o corretor ortográfico

Tão importante quanto o filtro solar é passar corretor ortográfico no seu texto. E não é para ir só clicando no “Aceitar” ou “Ignorar” sem nem parar para ler. Leia o contexto de cada termo e entenda o que o corretor está sugerindo para só então aceitar ou passar para a próxima.

Além disso, não esqueça de habilitar a opção para que o corretor também verifique trechos em caixa alta, que vem desligado por padrão no Word Office.

  1. Cuidado com a pontuação

Como já disse, ter que ficar corrigindo errinhos de pontuação é um trabalho chato, e se você cometer esse tipo de erro vai ativar lembranças nada agradáveis na cabeça do corretor, fazendo com que ele se indisponha com você. Um dos principais vilões que eu encontrei nos testes de tradução são as vírgulas de vocativos.

Outro caso que merece atenção redobrada são sentenças longas, com sujeitos compostos, principalmente. A chance do sujeito acabar se separando do verbo aumenta muito, então cuidado.

  1. Hífen ou falta de

VOLP é meu pastor e nada me faltará.

Sempre que surgir alguma palavra com a mais remota possibilidade de ser grafada de alguma forma diferente, vá ao VOLP e consulte. Sem moleza! Palavras compostas são visita garantida ao site.

Já caí na armadilha de não fazer isso porque tinha certeza que a grafia correta era sem hífen. Dica, era com. E tem palavras que, mesmo que eu escreva dez vezes por dia, sempre me deixam em dúvidas. É meu carma com para-quedas/paraquedas.

Quer saber qual é a correta?

http://www.academia.org.br/nossa-lingua/busca-no-vocabulario

Então tchau preguiça e olá VOLP!

  1. Pulga atrás da orelha

Fiz toda uma introdução dizendo que a tradução por si só não é o maior dos vilões, apesar de ser o mais espalhafatoso. E justamente por ser espalhafatoso, erros de tradução costumam dar aquela coceirinha atrás da orelha.

Quando estiver revisando, torça, retorça, procure até ver pulgas e percevejos. Se algo soou estranho no português, muito provavelmente alguma expressão idiomática passou batida, ou mesmo um “last” que foi lido como “lost” ao lado de um “n’t” que foi engolido na leitura.

É normal nós acabarmos fazendo a leitura final procurando erros de ortografia e gramática, mas ficar atento ao sentido do que está escrito é igualmente importante.

  1. Passe o corretor ortográfico

Passou no começo de tudo? Legal, interessante. Passe de novo antes de entregar.

Erros como “esta” em vez de “está”, “mais” em vez de “mas” são ruins, mas são compreensíveis.

Agora, deixar um erro que até o corretor ortográfico detecta é simplesmente imperdoável. Demonstra uma característica que nenhum tradutor deve ter: desleixo.

Então passe protetor solar!

Disclaimer: Que fique claro que todos os testes que traduzi foram para uma mesma agência que pede um mesmo perfil de candidato. O que digo não vale para todo mundo necessariamente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s